Pular para o conteúdo principal

Sinhá Moça


Eu sou do tipo que chora vendo filmes. Do tipo que se emociona com as festinhas da escola dos meninos. Sou ainda mais piegas, acredite.
Mas, espere um pouco. Não sou tão simplória quanto você está pensando.
Às vezes penso de que raça sou mesmo. Da raça humana, gênero feminino.... da espécie que se emociona demais. Aliás, tudo está à flor da pele.
Não sei qual foi o dia em que chorei de alegria pela primeira vez. Só sei que depois desse dia, o riso está cada vez mais raro. Choro de tristeza e de alegria. Choro pela infelicidade e pela felicidade da vida!
No final de tudo, qual é o problema de eu chorar vendo a novela das seis? Sinto-me como minha avó. Nas férias, eu viajava pra casa dela e achava lindo vê-la lendo aqueles romances que sempre tinham nome de mulher: Sabrina, Júlia, Bianca. Ela não me deixava ler. dizia que havia cenas muito fortes pra uma mocinha. Mas no final do dia ela sempre me contava o que acontecia. Podia ser uma jovem triste que conhece um homem em um navio, mas ele é casado. Podia ser a história de uma mullher casada que era muito maltratada pelo esposo e se apaixonava pelo don Juan do lugar. Ele tb se apaixonava por ela. Mas tinha que provar que seria fiel. Ah....Mais tarde, quando estava mais velha, ia no armário da minha avó e lia pedaços dos romances.Era uma bebida rara que eu provava sem pressa, mas com um sabor irresistível de estar transgredindo uma ordem. Se ela sabia, nunca me disse nada. Talvez ela mesma tivesse começado a ler estes romances enquanto a mãe dela tomava banho, ou ia à feira.
Lembrando de tudo isso hoje, eu penso que minha alma de mulher encontrou seu caminho emocional por aí. E neste mundo em que vivo tão masculino, tão imediato, tão cartesiano, ver Sinhá Moça pode representar um prazer enorme.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A teimosia do amor

Que alegria estar aqui com tanta gente importante nas nossas vidas!

Que alegria reunir todas e todos neste cenário tão lindo e significativo, construído com amor, partilhado por tantos e tantas de nós. Acredito que muitos e muitas aqui têm histórias pra contar que viveram nesta casa, neste jardim.

Quem está aqui pela primeira vez, seja bem vindo e bem vinda à vivenda Tesser, mais que uma casa, um endereço de acolhimento, que muito me diz sobre generosidade e acolhida.

Paula e Luana, que emoção, que gratidão, que imensidão ver vocês duas aqui na minha frente, mãos dadas, olhos brilhando!

A Paula é para mim uma dessas pessoas fundamentais na vida. Fundamental para a minha alegria, fundamental para o meu futuro. Quis esta mesma vida que, vindas de uma mesma família, ainda com toda esta identificação, tivéssemos morado apenas 8 meses na mesma cidade nesses 40 anos mais ou menos que nos conhecemos.

Paulinha, minha prima virou irmã, minha prima gêmea, como costumamos nos chamar. Talvez a m…

Poligamia

Casei umas 15 vezes nos últimos anos. Talvez tenha sido mais.   A primeira vez casei com os olhos. Olhei, apaixonei, casei. Bodas de papel. Na segunda vez decidi formalizar. Um casamento coletivo, no cartório. Tinha gente de todo tipo junto. Bodas de algodão. O casamento seguinte foi na igreja. Trocamos as alianças num ritual singelo. O primeiro filho nos braços. Bodas de trigo. As bodas de flores foram com um homem trabalhador, pensava no bem estar da família. Compramos o apartamento. Depois, me surgiu um homem mais maduro, mais leve. Gostava de sair à noite, de viajar. Bodas de madeira. Com as bodas de açúcar ganhei meu segundo filho. Doce, alma de artista, olhos curiosos. Igual ao pai. Bodas de latão para os tempos difíceis, bodas de barro para o artesão. Amei o jardineiro, fui amante do menino.Do puro. Do macho. As frágeis bodas de papoula me trouxeram um homem inseguro. Amei. Buscando firmeza, encarei as bodas de zinco. Depois de aço. Esbarrei na beleza do ônix. No tempo do …

Mulher Maravilha em primeiro lugar

A ideia era fazer um diário de bordo. Um registro de tudo o que vivemos na viagem de mulheres ao Sertão do Pajeú. Queria voltar ao trabalho com um relato fidedigno. Cartesiano. Celulares carregados, procurando o melhor ângulo para fotos e vídeos. Não consegui. O foco estava no sentir. Estava no viver e não no relatar. Não consegui. Foi uma daquelas viagens em que a gente esquece o telefone, abandona a internet. Estava conectada com outras ondas. Não perdi os momentos, como alguém pode pontuar. Guardei todos. Fiz questão de não enxergar através das lentes. Viagem longa, estrada reta, são ótimos bálsamos. Para curar agonias da rotina massacrante. Pra pensar melhor sobre a vida e para chegar ao destino de peito aberto, um pouco esvaziado do que nos atropela no dia a dia. Fui. Às cinco da manhã fiz uns sanduíches e coloquei tudo na bolsinha térmica que comprei na revista da natura. Nunca tinha usado. Fiz uns sandubas de queijo e pesto. Pão baguete. Dividi em quatro. Outras coisitas qu…