Pular para o conteúdo principal

Concerto para Forró e Orquestra




Quarta-feira, 14 de novembro. Cinco horas da tarde. Praça José de Alencar, Fortaleza. Uma manifestação sindical aporta com forte aparato sonoro. Clamam por melhores condições de trabalho para a categoria.
Cinco e quinze da tarde. Teatro José de Alencar, em frente à praça. Dois ônibus estacionam na rua lateral. Desembarcam 85 pessoas. Instrumentos de cordas, percussão, sopro... uma verdadeira mudança.
A Orquestra Sinfônica Jovem do Conservatório Pernambucano de Música, formada por jovens entre 15 e 25 anos, chega para sua apresentação. Mais de 800 quilômetros de estrada.
Agora, são seis horas. A orquestra com sua formação completa sobe ao palco para afinação de instrumentos e ajustes na luz. Faltam duas horas para o espetáculo, patrocinado pela CHESF e pelo Governo de Pernambuco.
Na praça, o protesto virou festa noite adentro.Do lado de fora, ânimos alterados. Aumentam o som das caixas e começa o show: forró eletrônico, bailarinas em praça pública. No teatro, o público começa a chegar.
Oito e quinze da noite. Começa o concerto da orquestra. O som estridente da manifestação sindical invade a platéia.
Cena Lastimável!
Na administração do Teatro José de Alencar "ninguém pode fazer nada". E o concerto da orquestra se arrasta. Os acordes ficam inaudíveis, abafados pela guitarra e pelos teclados. A cada pausa das cordas, o público era agraciado com a invasão intermitente do som que ecoava da praça. Concerto para forró e orquestra.
O maestro José Renato Accioly anuncia o placar: 5 x 0 para a festa sindical. Um espetáculo de constrangimento.
Nove e meia da noite: Encerramento do concerto. Músicos frustrados, platéia lesada, produção do teatro inoperante.
Na praça, o protesto virou festa noite adentro.
De quem é a culpa, FORTALEZA?????
Quem é o responsável por autorizar dois eventos incompatíveis na mesma hora, dia e local?
Aos gestores públicos da cultura, clamamos por sensibilidade!!!!!!!

Comentários

Dante Accioly disse…
Putz, prima. Lastimável MESMO. Sinto um misto de pena, frustração e vergonha. Beijo pra ti!
Germana Accioly disse…
dante, que bom que tu voltou! foi ruim mesmo o episódio da orquestra, mas pelo menos serviu de lição. pra todo mundo. Noves fora, curti muito os teus irmãos. boas risadas, boas companhias!!!!! beijo!
Antonio Ximenes disse…
Germana.

Faço minhas as palavras do Dantesco.

Aconteceu um fato similar comigo no pseudo Parque Ecológico do Cocó.

Em uma apresentação ao vivo de música erudita... um caminhão fazendo propaganda do então candidato Lúcio Alcântara... ficou bombardeando nossos ouvidos com a sua musiquinha de propaganda eleitoral.

Um porre.

Abração pra tu!
1ª lady newton disse…
Germanita! Que coisa horrível..nada digno isso!

Gente phynna não faz essas coisas! Com certeza estes sindicalistas não eram italianos de Milano...

Sabe o q estou sentindo? Muito franca? Vergonha da vergonha alheia sabe? Afe...
Germana Accioly disse…
queridos! minha raiva já passou.... e adorei receber a visita de todos.
eu deveria era ter chamado os sindicalistas pra assistir ao concerto.....
Dante Accioly disse…
Oi, prima! Ficou bem melhor o cabeçalho do blog assim! A gente já cai direto nos textos. Aliás, cadê novos textos? Tô com saudade!
Germana Accioly disse…
primo, nao mudei o cabeçalho..... eheheheh ele tem auerer e bom gosto. tou de ferias. volto em janeiro. beijo
Antonio Ximenes disse…
Gemana.

Curta suas férias e volte logo.

Abração.

Postagens mais visitadas deste blog

A teimosia do amor

Que alegria estar aqui com tanta gente importante nas nossas vidas!

Que alegria reunir todas e todos neste cenário tão lindo e significativo, construído com amor, partilhado por tantos e tantas de nós. Acredito que muitos e muitas aqui têm histórias pra contar que viveram nesta casa, neste jardim.

Quem está aqui pela primeira vez, seja bem vindo e bem vinda à vivenda Tesser, mais que uma casa, um endereço de acolhimento, que muito me diz sobre generosidade e acolhida.

Paula e Luana, que emoção, que gratidão, que imensidão ver vocês duas aqui na minha frente, mãos dadas, olhos brilhando!

A Paula é para mim uma dessas pessoas fundamentais na vida. Fundamental para a minha alegria, fundamental para o meu futuro. Quis esta mesma vida que, vindas de uma mesma família, ainda com toda esta identificação, tivéssemos morado apenas 8 meses na mesma cidade nesses 40 anos mais ou menos que nos conhecemos.

Paulinha, minha prima virou irmã, minha prima gêmea, como costumamos nos chamar. Talvez a m…

Poligamia

Casei umas 15 vezes nos últimos anos. Talvez tenha sido mais.   A primeira vez casei com os olhos. Olhei, apaixonei, casei. Bodas de papel. Na segunda vez decidi formalizar. Um casamento coletivo, no cartório. Tinha gente de todo tipo junto. Bodas de algodão. O casamento seguinte foi na igreja. Trocamos as alianças num ritual singelo. O primeiro filho nos braços. Bodas de trigo. As bodas de flores foram com um homem trabalhador, pensava no bem estar da família. Compramos o apartamento. Depois, me surgiu um homem mais maduro, mais leve. Gostava de sair à noite, de viajar. Bodas de madeira. Com as bodas de açúcar ganhei meu segundo filho. Doce, alma de artista, olhos curiosos. Igual ao pai. Bodas de latão para os tempos difíceis, bodas de barro para o artesão. Amei o jardineiro, fui amante do menino.Do puro. Do macho. As frágeis bodas de papoula me trouxeram um homem inseguro. Amei. Buscando firmeza, encarei as bodas de zinco. Depois de aço. Esbarrei na beleza do ônix. No tempo do …

Mulher Maravilha em primeiro lugar

A ideia era fazer um diário de bordo. Um registro de tudo o que vivemos na viagem de mulheres ao Sertão do Pajeú. Queria voltar ao trabalho com um relato fidedigno. Cartesiano. Celulares carregados, procurando o melhor ângulo para fotos e vídeos. Não consegui. O foco estava no sentir. Estava no viver e não no relatar. Não consegui. Foi uma daquelas viagens em que a gente esquece o telefone, abandona a internet. Estava conectada com outras ondas. Não perdi os momentos, como alguém pode pontuar. Guardei todos. Fiz questão de não enxergar através das lentes. Viagem longa, estrada reta, são ótimos bálsamos. Para curar agonias da rotina massacrante. Pra pensar melhor sobre a vida e para chegar ao destino de peito aberto, um pouco esvaziado do que nos atropela no dia a dia. Fui. Às cinco da manhã fiz uns sanduíches e coloquei tudo na bolsinha térmica que comprei na revista da natura. Nunca tinha usado. Fiz uns sandubas de queijo e pesto. Pão baguete. Dividi em quatro. Outras coisitas qu…