Pular para o conteúdo principal

Nelson Ferreira toque aquela introdução!

Aurora, Praia, Sol, União, Harmonia, Angustura, Amizade, Saudade, Alegria, Glória, Hora, Calçadas. Eu vim de um lugar onde as ruas tinham estes nomes.
E em cada um destes endereços eu vivi. Passei por suas expressões poéticas escritas em placas azuis. Nas esquinas de poeira, à beira do rio fétido, contemplava minha cidade. Cresci e vi outros crescerem.
Do rio, eu via o mar e o mangue nas encostas. O oceano imenso que aprendi a enxergar na linha da visão.
Gostava também dos nomes dos bairros. Uns com nomes de mulher: Madalena. Outros, com nomes de árvores frondosas: Espinheiro, Jaqueira. Tantos outros levavam na alcunha referência a antigos engenhos: Casa Forte, Caxangá, Casa Amarela, Engenho Novo. Aflitos, Torre, Encruzilhada, Brejo. Gostava de imaginar de onde veio o Paisandu, como surgiu a Ilha do Leite, como batizaram o Pina.
Hoje, morando em novas paragens, sinto falta dos amigos, sinto falta do labirinto da minha cidade. Mas morro, morro de saudade mesmo é dos nomes dos lugares.
O bicho da nostalgia encontrou em mim morada. Mas na minha teimosia, sinto também um comichão que me impulsiona para novos lugares, novas terras. E sem este dom aventureiro, vou ficando triste. Não sou nômade, porém. Minha cidade está no mapa.
Entendo agora o frevo de Antônio Maria, que nos carnavais, minhas fantasias, eu cantava me emocionando: “Sou do Recife com orgulho e com saudade. Sou do Recife com vontade de chorar”. Desculpa, Antônio. Até hoje eu achava que a tua poesia era alegoria.

Comentários

Dante Accioly disse…
Prima, talvez por isso você encha de poesia os nomes dos lugares de aqui: Salgadinho, Tabatinga, Lusitânia, Cavalgadas... Beijo, minha prima. Lindo, teu texto!
Anônimo disse…
O texto é ótimo.
Poderia dar uma musica.
Parabéns ta!!!!
Mack disse…
Ai, minha amiga, quanta saudade é essa?
Vivi falou contigo ontem e fiquei morrendo de inveja quando soube. Ando com saudade da tua voz...
Fica bem.

Beijo enooooormeee!

Te adoro!
Germana Accioly disse…
= Dante, tu tá coberto de razão. qualuqer dia rebatizo edinlândia e ceilândia.urge poesia nestes nomes. kkkkkkkkkkkkkkkkk
= anônimo, bondade sua! queria eu ser capaz de fazer uns versos musicados....
= Mack amiga, saudade enorme também. A saudade está no melhor estilo fado português! beijo.
Dante Accioly disse…
Ei, prima. Afinal de contas, quem é Nelson Ferreira?
Germana Accioly disse…
= Primo, Nelson Heráclito Alves Ferreira, o "Moreno Bom", como era carinhosamente apelidado, nasceu no município pernambucano de Bonito, a 9 de dezembro de 1902 e tornou-se, ao lado de Lourenço da Fonseca Barbosa, o "Capiba", o mais popular compositor de que o Nordeste tem notícia.
Fez valsas, foxes, tangos, canções as mais diversas, vindo a especializar-se no gênero frevo, o ritmo brasileiro mais contagiante e popular. (fonte: site da fundação Joaquim Nabuco)
Leonardo Werneck disse…
Lindo texto. Concordo com o anônimo lá de cima... dá música!

beijo
Dante Accioly disse…
Massa. Entendi. Ó, ficou massa o novo visual!!!!!
Antonio Ximenes disse…
Germana.

Adorei aprender sobre Nelson Ferreira.

Estou me sentindo mais rico em informação... rs. (gosto disso).

Eu acho importante a gente amar aquilo que conhece e "mais ainda" o que está para conhecer.

Abração procê.
Antonio Ximenes disse…
Gostei da "decoração" nova do teu blogue.

Abração de novo.
Naide Nóbrega disse…
Porra, Gê. Que lindo!!! Sem ter ido - ainda -, fui embora com gosto de gás. E voltei, em tuas palavras. Beijo enorme, cheio de saudades. ;)
Anônimo disse…
Que texto lindo, amiga! Do tamanho e da dignidade da tua saudade!Que vontade "danada" de chorar!
Bjs
Cata
Germana Accioly disse…
= Leonardo, quem dera, quem dera!!!
= Ximenes, esse é o ponto. amor o tempo todo. ao que aconteceu e ao que virá.
=Primo, freud deve explicar este novo visual sem ir muito longe
= Naidinha, li com orgulho teu comentário. a grande viajante é você!
= Cata, chora não, que eu choro junto!! beijo beijo
Raiana disse…
Nossa, confesso que me identifiquei um pouco, também sinto muito falta do lugar onde nasci (joão pessoa), mas mais das lembranças que ficaram lá, e tudo que aquela cidade representa na minha vida. Ficou p/ trás, hoje estou muito bem onde moro. O que tenho medo agora é de deixar esse lugar. ainda não tenho desejos de descobrir novas terras, a não ser que seja de passagem, para depois voltar! Queria um pouquinho desse espírito aventureiro!
muito lindo seu texto!!
Bjos!
Germana Accioly disse…
=Raiana, legal isso que vc diz. Eu acho que a gente pertence a muitos lugares, sabe? mesmo sem ter morado neles.... Eu adoro Recife, mas sinto saudade de um monte de lugares tb quando estou lá. vai me entender!!!! beijo
Jorgeane disse…
Cumade!!!

Que texto lindo. Aumentou ainda mais a minha saudade de vc. Jajá vou te ver, é oq me consola.

Beijos e te amo minha Cumade Irmã.

Postagens mais visitadas deste blog

A teimosia do amor

Que alegria estar aqui com tanta gente importante nas nossas vidas!

Que alegria reunir todas e todos neste cenário tão lindo e significativo, construído com amor, partilhado por tantos e tantas de nós. Acredito que muitos e muitas aqui têm histórias pra contar que viveram nesta casa, neste jardim.

Quem está aqui pela primeira vez, seja bem vindo e bem vinda à vivenda Tesser, mais que uma casa, um endereço de acolhimento, que muito me diz sobre generosidade e acolhida.

Paula e Luana, que emoção, que gratidão, que imensidão ver vocês duas aqui na minha frente, mãos dadas, olhos brilhando!

A Paula é para mim uma dessas pessoas fundamentais na vida. Fundamental para a minha alegria, fundamental para o meu futuro. Quis esta mesma vida que, vindas de uma mesma família, ainda com toda esta identificação, tivéssemos morado apenas 8 meses na mesma cidade nesses 40 anos mais ou menos que nos conhecemos.

Paulinha, minha prima virou irmã, minha prima gêmea, como costumamos nos chamar. Talvez a m…

Poligamia

Casei umas 15 vezes nos últimos anos. Talvez tenha sido mais.   A primeira vez casei com os olhos. Olhei, apaixonei, casei. Bodas de papel. Na segunda vez decidi formalizar. Um casamento coletivo, no cartório. Tinha gente de todo tipo junto. Bodas de algodão. O casamento seguinte foi na igreja. Trocamos as alianças num ritual singelo. O primeiro filho nos braços. Bodas de trigo. As bodas de flores foram com um homem trabalhador, pensava no bem estar da família. Compramos o apartamento. Depois, me surgiu um homem mais maduro, mais leve. Gostava de sair à noite, de viajar. Bodas de madeira. Com as bodas de açúcar ganhei meu segundo filho. Doce, alma de artista, olhos curiosos. Igual ao pai. Bodas de latão para os tempos difíceis, bodas de barro para o artesão. Amei o jardineiro, fui amante do menino.Do puro. Do macho. As frágeis bodas de papoula me trouxeram um homem inseguro. Amei. Buscando firmeza, encarei as bodas de zinco. Depois de aço. Esbarrei na beleza do ônix. No tempo do …

Mulher Maravilha em primeiro lugar

A ideia era fazer um diário de bordo. Um registro de tudo o que vivemos na viagem de mulheres ao Sertão do Pajeú. Queria voltar ao trabalho com um relato fidedigno. Cartesiano. Celulares carregados, procurando o melhor ângulo para fotos e vídeos. Não consegui. O foco estava no sentir. Estava no viver e não no relatar. Não consegui. Foi uma daquelas viagens em que a gente esquece o telefone, abandona a internet. Estava conectada com outras ondas. Não perdi os momentos, como alguém pode pontuar. Guardei todos. Fiz questão de não enxergar através das lentes. Viagem longa, estrada reta, são ótimos bálsamos. Para curar agonias da rotina massacrante. Pra pensar melhor sobre a vida e para chegar ao destino de peito aberto, um pouco esvaziado do que nos atropela no dia a dia. Fui. Às cinco da manhã fiz uns sanduíches e coloquei tudo na bolsinha térmica que comprei na revista da natura. Nunca tinha usado. Fiz uns sandubas de queijo e pesto. Pão baguete. Dividi em quatro. Outras coisitas qu…