quarta-feira, 9 de julho de 2008

Conta gotas, a vida



Cinco gotas. Dois dedos de café.
Não precisa mexer.
Sete passos até o sofá.
Os pés arrastam-se pelo assoalho.
À frente da tv.
Range a poltrona.
Café forte demais.
A pantufa de tecido listrado vai polindo o chão.
Dez passos ao armário.
Geme a porta.
Três biscoitos.
Oito passos até a mesa.
Na cadeira está uma bolsa.
Quinze passos até o quarto.
A bolsa pendurada no cabide.
Passa lenta, lerda, pelo corredor.
O café ficou frio.
Aliás, morno.
Muito ruim.
Passos até a cozinha.
E as pernas teimam em não levantar os pés.
Dispensa o café na pia.
Cinco gotas. Dois dedos de café.
Não precisa mexer.
Cinco, ops, seis passos até o armário.
E a vida seca.
Os biscoitos esquecidos.
Mais uns passos idiotas para resgatá-los.
Tenta apressar-se.
É patético.
O café vai esfriar.
A TV ligada. Canal 7.
Range a poltrona.
Off.
Silêncio. Silêncio.
Silêncio sem eco.
Silêncio sem história pra contar.
Silêncio sem fertilizante.
Até o próximo passo....

3 comentários:

Antonio Ximenes disse...

Nosso silencioso cotidiano contado em gotas... contado em passos.

Ele nem parece tedioso se a gente começar a fazer esquemas e gráficos... sobre quantos minutos dedicamos ao ócio... ou a nós mesmos.

Agora fiquei com vontade de comer biscoito, pão com manteiga e tomar café com leite... rs.

Abração.

Dante Accioly disse...

Que texto maaaaaaaaaaaaassa! Prima, você se garante!!!!!!

Viviane Rolemberg disse...

Comendo biscoitos de polvilho crocantes - e deliciosos - e lendo teus textos como quem acompanha uma novela imperdível. É um fato.

Bem-vinda, querida Gê, ao meu novo mundo:

www.equalizadormanual.blogspot.com

Tem uma palavra que tudo resume, Tudo explica e preenche os espaços. Uma palavra que ilustra e liga. Religa. Existem laços que são p...