segunda-feira, 10 de dezembro de 2012

MIRÓ





Hoje eu tive vergonha de escrever. Escrever com palavras tão fofinhas e cor de rosa.
E é isso o que a arte faz com a gente. Bate na cara. Escarna e tira as máscaras.
Hoje senti orgulho de ter vergonha de mim.
Na frente de um grande artista, o que se faz?
Presta-se reverência, e pronto.
Fiz um café da manhã pra Miró.
E em troca ele recitou para a nossa família, uns poemas do ventre.
E se ele não tiver ventre, inventou naquele momento.

quinta-feira, 6 de dezembro de 2012

Pianíssimo


Este reencontro...
Pode ser um sentimento arrebatador, ou uma pétala.
Posso estar desconfiada, ressabiada, sem sequer conseguir tocá-lo.
Posso chorar, rir, dar pulos de alegria ao vê-lo.
Tantos e tantos anos sem compartilhar.
Sinto o coração descompassado. Não há metrônomo que ajuste sua batida.
Tempo composto, o da abstinência.
Allegro. Não.
Allegro com fúria.
E penso que, ao digitar enquanto construo o texto posso simular também tocá-lo.
Posso fazer deste TIC TAC TIC TAC monótono e insosso, um lamento. Uma dança. Um soneto. Uma sonata. Um noturno.
Nada desafinado.
Desafiado.
Numa escala maior, em êxtase. 

Antes, meio tom.
Agora, tom inteiro.
Acorde maior.
E então me permito sonhar. Escrevoescrevoescrevo. Talvez por isso mesmo veja o som em tudo.
Piano é um instrumento de percussão. E nunca bato na mesma tecla. O teclado do computador também é um instrumento. Faço lá minhas composições.
Agora, volto à interpretação. Sentada frente ao teclado branco e preto.
Todas as claves ao alcance, todos os tempos à mão.

(A Francisco Mendonça, por me fazer sonhar)

segunda-feira, 3 de dezembro de 2012

Tempo roubado




A ladra sou eu.
Tenho roubado meu tempo
Enganada por ondas de satélite
Envolvida por relações de gelo.
Eu mesma ligo para o seqüestrador do meu tempo.
Tenho a senha, a conexão.
E sou uma refém voluntária,
Sem possibilidade de volta,
Sem resgate para pagar.

Roubo a mim mesma
E o produto deste delito 
Olho no olho,
Afeto de filho,
Frase dita em momento impreciso...
É mercadoria sem volta.

Se posso acessar no meu mundo imaginário quantas vezes quiser o momento passado,
Na vida real perco o link.
Não resgato o endereço IP.
O mote passou e não foi gravado, ninguém curtiu.

Visito o site da prisão pra ver se alguém está me vendo. 
Estou na sala de estar, sentada na poltrona
alheia à vida real.
 
 Fiquei sem comentário.

Tem uma palavra que tudo resume, Tudo explica e preenche os espaços. Uma palavra que ilustra e liga. Religa. Existem laços que são p...