Pular para o conteúdo principal

Fila de supermercado

Eu sempre achei esquisito este modo contemporâneo e capitalista de comprar comida. Você chega em um supermercado. Pega um carrinho. Coloca tudo o que deseja dentro do carrinho. Depois vai pra fila do supermercado. Coloca tudo o que escolheu na esteira para pagar. Coloca tudo dentro de uns sacos. Tudo no carrinho de novo. Depois, organiza na mala do carro. Chega em casa, tira tudo dos sacos e arruma na geladeira e na despensa. Lava as frutas, abre os saquinhos dos mantimentos e coloca nos vidros. E então começa a consumir. Isso se antes, dentro do carro mesmo, não já tenha atacado um pacote de biscoito....
         Desse processo meio burro, mas que até hoje repito - e olha que já faz uns 30 anos que vou ao supermercado praticamente toda semana -  tem uma etapa que eu adoro: a fila do supermercado.
         Feira é coisa íntima. No carrinho estão as nossas atitudes, os nossos hábitos, os nossos vícios. Estão alguns desejos secretos, quase todas as manias. Todos rotulados, pesados, etiquetados, enlatados, prontos para serem consumidos. Você olha pro carrinho alheio, tentando preservar o seu. Tem gente menos discreta que vai logo perguntando:
- O que você faz com este cogumelo? E presta?
Tem outros mais cordatos:
- Teria uma receita? Como se prepara?
E então você discorre detalhadamente sobre o “Mode d’emploi”, mesmo sabendo que nunca, jamais, em tempo algum, aquela pessoa vai se deter meio minuto que seja sobre aquela informação.
         Muitas vezes, destas orientações furtivas, saem conversas mais profundas. Sim, profundas! Tem coisa melhor do que falar de intimidade com um desconhecido? Uma pessoa que nunca mais vai te encontrar? Que nunca vai abrir tua geladeira?
         Lembro que, quando eu morava na França, fazia sempre as compras no FranPrix, um mercadinho bem popular. Mais barato, muitos imigrantes, muita solidão. As filas eram gigantes. E ali, numa terra estrangeira, a gente se soltava mais. As africanas falavam sobre suas receitas, ingredientes que eu jamais cheguei a provar. As indianas discorriam sobre as famílias imensas. Eu falava da minha saudade – palavra que só eu sabia conjugar- e sobre o que sentia naquele país.
Vez por outra, uma olhava pro carrinho da outra e perguntava:

- Este iogurte é bom? Seus filhos gostam?
- Vale a pena comprar este salame?

Perguntas com respostas sempre regadas a novas receitas – de vida e de panelas.

          Em Brasília era curioso. Comprava muita coisa na mercearia japonesa. Rótulos que não sabia ler. Mudei meus hábitos. Acostumei a experimentar. Preferia comprar tudo a pé mesmo. Ali eu aprendi histórias de forasteiros. Receitas misturadas de todo o país. E tanta sacola! 

Hoje moro na rua da Glória, no centro do Recife. Uma rua que abriga o único centro islâmico da capital, num momento em que muitos africanos estão chegando para tentar vida nova. A rua que já foi o porto dos judeus. Que hoje é meu endereço afetivo.
Frequento o mercadinho do bairro. Frequento o supermercado fino.
Compro coalho no mercadinho e mostarda no mercado de grife.
Outro dia uma africana vestida com aquelas vestes longas, com estampas tribais, me confidenciou, sussurrando com seu português quase incompreensível:
- Ontem joguei meio quilo dessa carne fora, porque não sei fazer. Não tive coragem de colocar na mesa, disse, aproveitando pra  analisar meu carrinho.
Dei algumas orientações, truques, algumas sugestões de acompanhamento e de preparo.
         Ela estava na minha frente, passou suas compras e eu fiquei. A caixa do supermercado me disse:
           - A gente que é daqui tem mesmo que ajudar. E atalhou: - A senhora hoje não está tão bem não é?
Ali me senti acolhida. Passando o coalho e o limão, dei um risinho e falei que toda araruta tem seu dia de mingau. Agradeci, digitei minha senha do cartão. Saí até melhor.

         Dessa vez trouxe as compras na mão, nos saquinhos reforçados pelo empacotador que se ofereceu pra me acompanhar até em casa.
         - Precisa não, ta tranquilo.

         Cumprimentei no caminho seu Pedro da carne e seu Pedro da fruta. Na esquina encontrei a minha manicure, que a cada semana me recebe cheia de novas ideias no salão que tem o nome de Beleza Pura.

            Mas, aí, já é outra história.....

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A teimosia do amor

Que alegria estar aqui com tanta gente importante nas nossas vidas!

Que alegria reunir todas e todos neste cenário tão lindo e significativo, construído com amor, partilhado por tantos e tantas de nós. Acredito que muitos e muitas aqui têm histórias pra contar que viveram nesta casa, neste jardim.

Quem está aqui pela primeira vez, seja bem vindo e bem vinda à vivenda Tesser, mais que uma casa, um endereço de acolhimento, que muito me diz sobre generosidade e acolhida.

Paula e Luana, que emoção, que gratidão, que imensidão ver vocês duas aqui na minha frente, mãos dadas, olhos brilhando!

A Paula é para mim uma dessas pessoas fundamentais na vida. Fundamental para a minha alegria, fundamental para o meu futuro. Quis esta mesma vida que, vindas de uma mesma família, ainda com toda esta identificação, tivéssemos morado apenas 8 meses na mesma cidade nesses 40 anos mais ou menos que nos conhecemos.

Paulinha, minha prima virou irmã, minha prima gêmea, como costumamos nos chamar. Talvez a m…

Poligamia

Casei umas 15 vezes nos últimos anos. Talvez tenha sido mais.   A primeira vez casei com os olhos. Olhei, apaixonei, casei. Bodas de papel. Na segunda vez decidi formalizar. Um casamento coletivo, no cartório. Tinha gente de todo tipo junto. Bodas de algodão. O casamento seguinte foi na igreja. Trocamos as alianças num ritual singelo. O primeiro filho nos braços. Bodas de trigo. As bodas de flores foram com um homem trabalhador, pensava no bem estar da família. Compramos o apartamento. Depois, me surgiu um homem mais maduro, mais leve. Gostava de sair à noite, de viajar. Bodas de madeira. Com as bodas de açúcar ganhei meu segundo filho. Doce, alma de artista, olhos curiosos. Igual ao pai. Bodas de latão para os tempos difíceis, bodas de barro para o artesão. Amei o jardineiro, fui amante do menino.Do puro. Do macho. As frágeis bodas de papoula me trouxeram um homem inseguro. Amei. Buscando firmeza, encarei as bodas de zinco. Depois de aço. Esbarrei na beleza do ônix. No tempo do …

Mulher Maravilha em primeiro lugar

A ideia era fazer um diário de bordo. Um registro de tudo o que vivemos na viagem de mulheres ao Sertão do Pajeú. Queria voltar ao trabalho com um relato fidedigno. Cartesiano. Celulares carregados, procurando o melhor ângulo para fotos e vídeos. Não consegui. O foco estava no sentir. Estava no viver e não no relatar. Não consegui. Foi uma daquelas viagens em que a gente esquece o telefone, abandona a internet. Estava conectada com outras ondas. Não perdi os momentos, como alguém pode pontuar. Guardei todos. Fiz questão de não enxergar através das lentes. Viagem longa, estrada reta, são ótimos bálsamos. Para curar agonias da rotina massacrante. Pra pensar melhor sobre a vida e para chegar ao destino de peito aberto, um pouco esvaziado do que nos atropela no dia a dia. Fui. Às cinco da manhã fiz uns sanduíches e coloquei tudo na bolsinha térmica que comprei na revista da natura. Nunca tinha usado. Fiz uns sandubas de queijo e pesto. Pão baguete. Dividi em quatro. Outras coisitas qu…